Márcia Damasceno

Sou buscadora de simplicidade, em todos os aspectos na vida.

Espiritualidade com pé no chão, bom humor e seriedade, delicadeza e firmeza, simplicidade e autogentileza são alguns dos pilares de tudo que faço, onde o foco é sempre desenvolver a saúde emocional.

Meu trabalho é passar adiante o que aprendo, com a mesma praticidade que aplico na minha vida. É gerar mais clareza e autogentileza para lidar com os desafios e diminuir o sofrimento.

Faço isso de diversas formas, principalmente através da meditação , dos podcasts De boas, no Spotify, do meu perfil no Instagram @namaste.de.boas.

Que o meu processo de despertar possa contribuir com o seu!

Para apoiar o meu trabalho acesse aqui 🙂

Eu passei grande parte da vida me deixando em segundo plano, terceiro, quarto… e último.

Foi um auto abandono mesmo. Minha vida acabou virando uma bagunça. Tudo ficou de cabeça pra baixo.

Eu não tinha mais energia pra nada, uma das minhas filhas adoeceu gravemente e eu não tinha mais forças pra trabalhar, pra relacionar, pra pensar, pra resistir.

Tudo isso resultou em esgotamento, ansiedade, um tanto de dívidas, enfraquecimento emocional e físico, o que refletia diretamente em todas as áreas da vida, que foram só embolando.

Profissionalmente, além de tatuar e micropigmentar, eu fazia penteado e maquiava as mulheres_ cuidava delas e não cuidava de mim.

E estava fazendo coisas demais_ que gosto muito é verdade, mas estava dispersa, sem energia, sem perspectiva e sentindo um vazio imenso tomar conta de mim e não entendia o porquê.

‘Atirando pra todo lado’, eu estava sem brilho_ e além de tudo, me sentia uma impostora, uma fraude_ cuidando de mulheres, deixando todas lindas enquanto eu não conseguia cuidar de mim.

Até que cheguei no meu limite e resolvi que não dava mais pra ser daquele jeito.
Já tinha feito terapia e iniciado o processo de me conhecer.

Mas ainda faltava muita coisa que eu não sabia como lidar.

Busquei ajuda. Comecei a fazer outro tipo de terapia, cursos, coach, e a estudar muito, com uma motivação imensa de achar meios pra ajudar minha filha no processo dela.

Mas olha que curioso…

. Comecei me cuidar pra dar conta do processo doloroso ~ da minha filha.

. Depois, passei pra etapa de estudar mais e mais para buscar formas ~ d’ela melhorar.

. Finalmente aprendi , com toda essa minha transformação e meu empenho, o que posso fazer é primeiramente por mim.

O bem que eu fizer pros outros é consequência, é lucro.

Parece tão óbvio que dá até agonia.

Percebe que até pra me cuidar eu não me coloquei em primeiro lugar? Afemaria

Mas aprendi que o oposto é muito mais eficaz e muito mais satisfatório pra todo mundo envolvido na história.

Me conhecer e me cuidar, para só assim conseguir transbordar pros outros.

Fazer o inverso é morar no adoecimento.

… ‘amar os outros ~ como a si mesmo’ ~ já dizia nosso Amigo_ e não … ‘muito depois de si mesmo’.

Coisas como auto conhecimento, processo de superação e empoderamento pessoal, consciência e o vivenciar dos sentimentos foi ganhando meu coração e um espaço especial na minha vida, de um jeito muito forte e fluido ao mesmo tempo_ nas conversas com clientes e amigas, no dia a dia.

Até que em 2017, depois de 18 anos maquiando, chegou a hora de ceder o lugar pra minha nova fase.

O início do Maquiagem Não é Tudo veio em 2014 como semente de uma direção a seguir, algo que já pulsava em mim, ainda meio sem forma.  Agora vem tomando mais força e corpo, sendo basicamente o conceito que rege meu trabalho de externalizar beleza.

Todo esse processo refletiu na melhora da convivência com minha família, na criação das minhas filhas, nos meus relacionamentos em geral, na minha vida profissional, na minha forma de enxergar e lidar com os desafios e com as bênçãos_ do mundo e da vida.

Hoje vivo de uma forma mais equilibrada, me respeitando imensamente mais  (melhorando gradativamente) e tudo tem ficado cada vez mais claro, mais simples e mais bonito de viver.

Mesmo com os vários perrengues naturais que a vida_ danada e infalível que é_ sabe nos trazer.

Agora sou mais forte, mais segura, mais autêntica e muito, muito mais feliz.

E o que eu faço hoje é compartilhar a minha caminhada de despertar, de uma forma mais simples e com menos dor do que o processo que vivenciei pra me descobrir, me resgatar e para realizar grandes, várias e contínuas curas em mim.